No Hospital Velho da Misericórdia - que funcionou até 1973 no edifício onde hoje está o Lar Diogo Gonçalves, do Centro de Apoio a Idosos, junto à Igreja do Colégio e era gerido pela Santa Casa – trabalhou, durante anos, como enfermeira, Fátima Martins. “Foi sempre uma profissional dedicada, que gostava do que fazia”, dizem colegas que com ela trabalharam e estão hoje reformados.
Brito da Mana, cirurgião que ali prestou serviço e é um dos poucos médicos vivos dos que pertenceram ao quadro clínico daquela unidade hospitalar, recorda com saudade e respeito o desempenho daquela enfermeira. “ Uma certa altura, porque havia necessidade, dispôs-se a trabalhar no hospital sem dias de descanso. Apenas pediu para que a deixassem ir a casa, uma ou duas horas, para poder tratar da mãe, que passava menos bem” – diz o profissional.

Os membros dos Órgãos Sociais da Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Portimão tomaram posse, no dia 15 de janeiro, na Eucaristia dominical da manhã, na Igreja Matriz. Foram reeleitos como presidente da Mesa da Assembleia Geral o padre Mário Sousa , como Provedor, João Amado e como líder do Conselho Fiscal, Manuel Henrique de Sá Costa Valente.
À cerimónia, num templo repleto de fiéis, compareceram a presidente da Câmara Municipal de Portimão, Isilda Gomes, a vereadora da Cultura, Ana Fazenda, a diretora regional da Segurança Social, Margarida Flores, o presidente da Camara Municipal de Monchique (também vice-provedor da Misericórdia de Monchique), a representante dos secretariados regional e nacional da União das Misericórdias Portuguesas, Patrícia Seromenho (provedora da Misericórdia de Albufeira), provedores das Misericórdias de Alvor, Monchique e Vila do Bispo, outros dirigentes e irmãos de Irmandades congéneres algarvias.

Com uma tiragem de 3000 exemplares, a publicação pretende dar a conhecer melhor o trabalho desta instituição, os seus projectos e o seu passado. Esta iniciativa da SCMP abre espaço ainda para a actualidade, histórias e personalidades da vida portimonense.