A Santa Casa da Misericórdia de Portimão, atenta à realidade social e cumprindo a função que lhe está destinada, mantem, entre muitas outras ações, o Apoio Domiciliário a 63 seniores, na qual empenha 11 funcionárias e três veículos, funcionando o serviço nos sete dias da semana.
O apoio consiste no fornecimento de almoço e reforço para jantar, consistindo a refeição de sopas, prato de carne ou peixe, pão e fruta. No caso de a pessoa necessitar de ajuda para comer, a mesma é-lhe garantida pelas assistentes.


Nesse mesmo programa estão ainda contemplados a higiene pessoal do sénior e da respetiva habitação e tratamento de roupas, assim como a administração de medicamentos prescritos pelo médico, exigindo-se neste caso um termo de responsabilidade de um familiar direto do utente.
O serviço em questão tem-se revelado de uma grande importância e acuidade, atendendo a que é cada vez maior o número de pessoas carentes de auxílio. De acordo com a responsável pelo setor, Gabriela Ferreira, “chegam à Santa Casa vários pedidos de apoio”, mas, segundo aquela responsável, “não há, de momento, meios e condições para satisfazer as crescentes solicitações”.
Neste contexto, convém referir que a população com 65 ou mais anos de idade aumentou 31,6 por cento em Portimão entre os censos de 2001 e 2011, uma realidade que preocupa os responsáveis autárquicos locais e as instituições de solidariedade social e, em particular, a Santa Casa da Misericórdia de Portimão.
Segundo o Provedor desta instituição, João Amado, “há disponibilidade institucional para aumentar o apoio domiciliário”. No entanto, conforme refere o médico que é há vários anos responsável pela Mesa da Santa Casa, “o acordo com a Segurança Social não o permite neste momento”, mas “estamos a desenvolver esforços para que essa situação se resolva e possamos assim dar uma maior resposta aos pedidos”, garante.
Porém e apesar de alguns constrangimentos burocráticos registados, o serviço prestado no Apoio Domiciliário “visa a excelência, garantindo o bem-estar da pessoa sénior e o conforto psicológico de que tanto carece”. 
Visando este objetivo, são proporcionados aos utentes a assistência na área da psicologia, passeios mensais aos que se podem locomover e ainda lhes é garantida, pelas prestadoras de cuidados, a compra de bens de que necessitem.
Um outro serviço prestado no âmbito do Apoio Domiciliário é a Teleassistência, na qual os utentes ficam munidos de um aparelho de alerta que é acionado pelo sénior sempre que se sinta mal ou a precisar de auxílio. Neste caso, a operadora do sistema avisa os familiares.