Atenta à crise social (com casos de fome declarados) decorrente, entre outros fatores, dos elevados índices de desemprego verificados no país e de um modo particular em Portimão, a Santa Casa da Misericórdia desta cidade (SCMP), instituição de solidariedade social de matriz católica, mantém em funcionamento duas cantinas sociais onde são servidas diariamente dezenas de refeições.

Nas suas instalações na Coca Maravilhas, onde funcionam os lares, são servidos, de segunda a sexta-feira, almoços e reforço para jantar a 10 pessoas. De acordo com Mónica Afonso, diretora técnica da Área Sénior da instituição, “os beneficiários são pessoas adultas, em idade ativa mas reformadas por invalidez e com pensões muito baixas”.
Na opinião daquela técnica, “sente-se, cada dia que passa, uma necessidade de haver um maior apoio social a quem precisa – e são muitos – mas confrontamo-nos, de certa forma, com limitações burocráticas a que somos alheios”.

Entretanto, no edifício onde funciona a Unidade de Cuidados Continuados Integrados gerida pela instituição, contígua ao Hospital de S. Camilo (unidade hospitalar onde a SCMP detém interesses societários), está aberta uma outra Cantina Social, servindo diariamente refeições a 40 agregados familiares. Segundo João Francisco Amado, responsável pelo setor saúde na instituição, “no ano transato foram fornecidas cerca de 34 mil refeições a carenciados”.
Para o jovem responsável, “esta situação é preocupante e a instituição, dentro dos condicionalismos com que se depara, tem procurado dar uma resposta eficaz às solicitações, tendo sempre em conta o respeito pela pessoa humana”.
As referidas refeições foram todas confecionadas nas cozinhas da unidade. As pessoas apoiadas podem levar as refeições para casa ou comê-las no refeitório da instituição.